Skip links

PRIMEIRA EDIÇÃO DO GRAFFITI DELAS É PROMOVIDA EM SANTO ANTÔNIO DE JESUS

Cada vez mais, o reconhecimento do graffiti não é apenas exclusivo dos muros, mas também uma intervenção sociocultural, inclusive sendo utilizado por muitas mulheres para retratar suas vivências e reivindicações. Por muitas gerações, as mulheres ocuparam o papel de coadjuvantes na sociedade, sem voz e sem expressão.

A iniciativa do projeto “Graffiti Delas” surge para mudar um pouco essa perspectiva, levando mais mulheres para a cena urbana principalmente no interior baiano, estimulando o protagonismo e empoderamento feminino, visando mostrar as mulheres e meninas através da arte de como elas são e quem elas podem ser!

Mulheres praticando durante a oficina

A realização do projeto foi possível através da Lei Aldir Blanc que viabilizou a primeira oficina de grafite  na última segunda-feira (14). Nela, as mulheres puderam aprender sobre a história do graffiti, enfatizando a presença feminina e técnicas de spray, além de interagirem com outras mulheres. O objetivo é que aconteçam outros encontros em comunidades da região, formando um grupo de mulheres dispostas a desbravarem o mundo do graffiti.

Natali Ferreira grafitando

Natali Ferreira (@nath_graff) , conhecida como Nath é idealizadora do projeto é natural de Nazaré no Recôncavo da Bahia, é a primeira graffiteira da sua cidade e iniciou no desenho ainda na adolescência. Mas, foi no graffiti que se encontrou. Na arte urbana deu seus primeiros traços através das mandalas, sendo defensora da causa feminista e levando para as ruas trabalhos com personagens femininos. Além do graffiti também desenvolve produções em telas de variados suportes e reciclagem, customizando a própria lata de spray. Nath tem em seu currículo algumas seleções de eventos nacionais e regionais de arte urbana.

 

Danielle Almeida
16/03/2022

Leave a comment